Faltando uma semana para o lançamento mundial do último episódio de sua primeira temporada, foi divulgado que o anime The King of Fighters: Destiny contará com mais duas temporadas além de um filme.

Tal anúncio foi feito pela iDragons Creative Studio, estúdio responsável pela série, a qual soltou uma nota mencionando que “a história começa com Fatal Fury e The King of Fighters 94, e vai até o final do The King of Fighters 97” sendo que “a animação deve ser feita em três temporadas, terminando na forma de um grande filme”.

“Durante a época em que as pessoas não tinham muito para se divertir, os games de KOF tornaram-se companheiros fiéis de uma geração. Hoje em dia, KOF não é apenas um jogo, mas um símbolo de infância. Esta animação oficial compensa a lamentável falta de um no passado, e eu sei que definitivamente trouxe boas lembranças nas mentes das pessoas! Atualmente, Yinhan Games tem os direitos da primeira temporada com distribuição pela Tencent Games. Outras cooperações comerciais relacionadas estão em andamento – sejam bem vindos a bordo!”

PV 1° Temporada

Mais sobre King of Fighters: Destiny
KOF: Destiny tem produção feita em CG pela mesma equipe que trabalhou nos efeitos especiais de “Kingsglaive: Final Fantasy XV”.

Ainda que possa demorar para ser lançada, foi confirmado que o anime de Shichisei no Subaru (Re’Union) estreará ainda em 2018.

Também foi divulgado duas imagens promocionais as quais são seguidas pelos seguintes dizeres:

“Quero encontrar-me novamente com todos”

“A história de uma promessa de dois amigos de infância.”

Sinopse
“Em um famoso MMORPG chamado Union havia um famoso grupo, de jogadores lendários, chamado Subaru, que era consistido de alguns amigos que se conheciam desde a escola primária. Ficando famosos em pouco tempo, o grupo Subaru era conhecido por suas grandes habilidades em controlar o sistema Sense do jogo, porém, após um acidente, um jogador morreu enquanto estava conectado ao jogo, fazendo assim a empresa responsável fechar as portas.

Após 6 anos do incidente, seguimos Haruto Amo, um dos principais membros do grupo Subaru. Amo agora no ensino médio, não se preocupa com seu futuro e não tem amigos. Um certo dia, um de seus colegas de classe o indica o MMORPG chamado Re’Union para tentar animar Amo. Ao entrar no jogo, em uma sensação de nostalgia e lembranças, Amo reencontra dentro do jogo uma antiga companheira de grupo e amiga chamada Asahi Kuga, mas esta garota Kuga, era a jogadora que supostamente morreu 6 anos atrás.”

Mais sobre Shichisei no Subaru
A série de light novels Shichisei no Subaru escrita por Noritake Tao e ilustrada por Booota foi publicada a primeira vez pela editora Shogakukan em agosto de 2015. A obra que contém cerca de 5 volumes publicados terá o seu sexto volume a venda no dia 20 de setembro, além de contar com incríveis 9,05 de nota no MyAnimeList.

Adaptação em anime ainda não conta com mais informações divulgadas (staff, elenco e estúdio).

Dragon Ball é um dos maiores e mais respeitados animes de todos os tempos, mas você sabe como Akira Toriyama se inspirou para criar a obra?

Recentemente, o usuário do Twitter Kazenshuu traduziu mais um treco do livro Daizeshuu 2, um dos livros sobre Dragon Ball lançado em 1995. Nele, encontramos uma entrevista com Akira Toriyama, e ele explica de onde surgiu a inspiração e o processo de criação das aventuras de Goku, Gohan e companhia:

Segundo ele, foi tudo graças ao ator Jackie Chan:

“Eu tinha acabado de terminar ‘Dr. Slump’ e estava pensando sobre o que deveria fazer para meu próximo trabalho. Eu tive muitas reuniões com meu editor na época, Torishima-san. Acontece que na época eu gostava muito dos filmes de Jackie Chan e tinha visto ‘Drunken Master’ (O Mestre Invencível) dúzias de vezes. Já que eu gostava dessas coisas, o Torishima-san me aconselhou tentar fazer um mangá de kung-fu, então eu desenhei uma edição única chamada ‘Dragon Boy’. Ela teve uma recepção incrivelmente positiva dos leitores, então eu decidi seguir este caminho para meu próximo trabalho.”
Como todo mundo sabe, Toriyama usou a inspiração da lenda chinesa “A jornada para o Oeste” como base da história de Dragon Ball, e Goku quase foi um macaco em Dragon Ball. Felizmente, ele mudou de ideia e resolveu colocar um garoto com um rabo ao invés do animal como personagem principal da história.

“Bulma era Tripitaka, Oolong era Zhu Bajie e Yamcha era Sha Wujing”, explicou o autor, que acabou eventualmente abandonando essa inspiração direta e focando em combates mesmo.

Depois disso, o resto foi história, e hoje em dia Dragon Ball é o que é.

Dragon Ball Super introduziu um monte de novidades na franquia de Akira Toriyama, e despertou uma grande discussão entre os fãs: qual é a forma mais forte, o Super Saiyajin Blue de Dragon Ball Super ou o Super Saiyajin 4 de Dragon Ball GT?

Para obter as duas formas, há processos diferentes, sendo o Super Saiyajin God o processo de absorver o ki dos deuses e liberá-lo para atingir essa nova transformação. Já no caso do Super Saiyajin 4, o personagem precisa transformar-se num Macaco Gigante Dourado (ou seja, virar um Macaco Gigante como Super Saiyajin) e tomar controle dessa forma.

Mas qual delas é a mais forte? Para isso, vamos analisar os números revelados pelos personagens durante Dragon Ball Super.

Ao chegar ao Super Saiyajin, o lutador ganha um poder 50 vezes maior do que a sua forma base. Com o Super Saiyajin 2, ele fica 100 vezes mais forte do que a sua forma base. O Super Saiyajin 3 é uma forma 400 vezes mais forte do que a forma base.

Infelizmente não há um multiplicador exato para a forma Super Saiyajin 4, mas se nós estabelecermos o padrão das transformações anteriores, temos que o Super Saiyajin 2 é o Super Saiyajin vezes 2, e o Super Saiyajin 3 é o Super Saiyajin 2 vezes 4. Logo, o Super Saiyajin 4 será o Super Saiyajin 3 vezes 8, o que faz essa forma ser 3200 vezes mais forte do que a forma base de um Saiyajin.

Pois bem, no filme A Batalha dos Deuses, quando Goku enfrentou Beerus na forma Super Saiyajin 3 e foi completamente derrotado sem Beerus fazer o mínimo esforço, podemos assumir que ele não estava usando nem 10% do poder dele, e o total usado provavelmente foi mais algo entre 2 ou 3%. Se multiplicarmos o poder de Goku por 8 vezes (Super Saiyajin 3 vezes 8 = Super Saiyajin 4), ele certamente ainda não conseguiria fazer frente a Beerus, ou seja, teoricamente, se ele virasse um Super Saiyajin 4, ele não conseguiria nem arranhar o Deus da Destruição.

Entretanto, quando ele virou Super Saiyajin God, ele ficou muito, mas muito mais forte mesmo, chegando a um nível completamente diferente e finalmente dando algum combate a Beerus, que, como nós sabemos, não estava usando o poder máximo dele.

Somente com isso já podemos afirmar que o Blue é mais forte do que o 4, afinal de contas, o SSJ God já é mais forte do que o SSJ 4. Como a transformação Blue é mais forte do que a God, podemos afirmar com total segurança que, sim, Goku está mais forte em Dragon Ball Super do que ele jamais esteve em Dragon Ball GT.

O que vocês acharam dessa explicação? Deixem seus comentários!

A Famitsu divulgou a lista dos jogos mais vendidos no ano de 2017 no Japão, revelando que Pokémon Ultra Sun & Ultra Moon foi o título preferido entre os japoneses, no período que compreende entre 26 de dezembro de 2016 a 31 de dezembro de 2017.

O resultado revela ainda a preferência no país do console Nintendo, figurando entre nove dos dez jogos mais vendidos:

  1. Pokémon Ultra Sun & Ultra Moon (3DS – 2,003,607)
  2. Splatoon 2 (Switch – 1,752,096)
  3. Dragon Quest XI: Sugisarishi Toki o Motomete (3DS – 1,744,603)
  4. Monster Hunter XX (3DS – 1,684,991)
  5. Dragon Quest XI: Sugisarishi Toki o Motomete (PS4 – 1,336,180)
  6. Super Mario Odyssey (Switch – 1,324,280)
  7. Mario Kart 8 Deluxe (Switch – 1,103,744)
  8. The Legend of Zelda: Breath of the Wild (3DS – 688,044)
  9. Pokemon Sun/Moon (3DS – 576,506)
  10. Super Mario Maker (3DS – 423,073)

Pokémon Ultra Sun & Ultra Moon foi lançado em novembro e mesmo assim conseguiu o pódio entre todos os demais jogos comercializados em 2017 no Japão.

Bandai Namco Entertainment publicou um novo trailer de Dragon Ball FighterZ apresentar Hit, o guerreiro do 6 universo.

A Bandai Namco Entertainment vai lançar Dragon Ball FighterZ a 26 de janeiro de 2018 para Xbox One, PlayStation 4 e PCs via STEAM.

Foi anunciado pela Make-Up and Hair Stylists Guild (Associação de Maquiagem e Cabeleireiros) que o filme live-action americano de Ghost in the Shell está disputando uma premiação.

O filme foi nomeado para a categoria de melhor maquiagem contemporânea. Deborah La Mia Denaver e Jane O’Kane, as duas artistas responsáveis pela maquiagem no filme, são creditadas para a premiação em questão.

Ghost in the Shell também pode concorrer ao Oscar na categoria de maquiagem e cabelo. Sua participação ainda está sendo decidida. O filme também teria chances de concorrer na categoria de efeitos visuais, mas a academia estreitou a lista de possíveis candidatos para apenas 10 filmes, excluindo Ghost in the Shell e tirando a possibilidade de participar na categoria.

O filme estreou no dia 31 de março de 2017 nos Estados Unidos, e em novembro, venceu a premiação Hollywood Professional Association Award, na categoria de melhor esquema de gradação de cores como recurso em um filme. Na mesma premiação, Ghost in the Shell, também foi nomeado para a categoria de melhores efeitos visuais em um Filme, mas não venceu esta premiação.

Sobre:
Ghost in the Shell, é uma franquia japonesa que teve início em 1989, com o mangá escrito e ilustrado por Masamune Shirow. Em 1995, o estúdio Production I.G, produziu o anime longa-metragem de mesmo nome, baseado no mangá. O filme foi um sucesso, além de ser considerado mundialmente um divisor de águas para o gênero de ficção científica, especialmente para o subgênero cyberpunk.

Em 2017 a franquia teve o seu primeiro live-action. Estrelado pela atriz americana Scarlett Johansson (que dentre sua extensa carreira, podemos citar os filmes da Marvel como Homem de Ferro e Os Vingadores) e dirigido pelo britânico Rupert Sanders (diretor de Branca de Neve e o Caçador).

No fim de semana de estreia de Ghost in the Shell, o filme arrecadou US$18,676,033 só nos Estados Unidos. Globalmente, estima-se que o live-action tenha gerado uma receita de cerca de 170 milhões de dólares (algo em torno de 550 milhões de reais na cotação atual).

Sinopse:
“Em um futuro pós-apocalíptico, Major (Scarlett Johansson) foi salva ao ser transformada num híbrido de humano e ciborgue. Ela lidera um esquadrão de elite, dedicado a combater crimes cibernéticos. Sua missão é encontrar um cracker extremista que ameaça a ordem tecnológica. Mas ela também tem uma missão pessoal para descobrir quem realmente é agora.”

A edição de fevereiro da revista Comic Garden (Mahoutsukai no Yome), da editora Mag Garden, publicou o último capítulo de Joker Game, mangá de investigação que se passa pouco antes da Segunda Guerra Mundial.

Sinopse
“Em 1937, antes da Segunda Guerra Mundial começar de verdade. O tenente-coronel Yuuki do Exército Imperial Japonês forma a “Agência D”, uma unidade de inteligência do exército. O exército geral atribui ao tenente Sakuma o trabalho de observar o desempenho da unidade. A Agência D lança uma grande investida para encontrar novos agentes além dos militares japoneses, então Yuuki estabelece princípios à Agência, que vão contra a doutrina do EIJ (Exército Imperial Japonês): ‘Não matar, não morrer, não ser capturado.’ Com isso, Yuuki treina sua equipe de agentes que realizam missões contra os poderes nacionais e estrangeiros.”

Mais sobre Joker Game
Autoria de Kouji Yanagi com arte de Subaru Nitou, mangá Joker Game começou a ser serializado pela mesma revista da publicação de seu último volume em fevereiro de 2016, tendo seu quarto volume publicado em outubro de 2017.

Tal mangá é baseado no anime de mesmo nome da Temporada de Abril de 2016, o qual conta com Kazuya Nomura (91 Days, Ghost in the Shell, Princess Principal) como diretor pelo estúdio Production I.G (Shingeki no Kyojin, Psycho-Pass, Kuroko no Basket), este que foi finalizado em 12 episódios.

Este, que foi finalizado em 12 episódios, é baseado na novel de mesmo nome a qual foi publicada em 2008. Um ano depois, a mesma recebeu o prêmio Nihon Suiri Sakka Kyoukai-shou (Prêmio do gênero Mistério). Novel conta atualmente com mais de um milhão de cópias impressas.

No dia 3 de janeiro, o já conhecido filme dos fãs de anime Kimi no Na Wa estreou pela primeira vez nos canais de televisão da TV Asahi, marcando assim um novo ciclo do longa, sendo essa a primeira vez que é exibido sem ser em salas de cinema ou em serviços de streaming.

Por conta disso, uma discussão já existente na internet entre os fãs do filme voltou à tona (cuidado: Spoilers do final de Kimi no Na Wa à frente, leia por sua própria conta e risco) e seria que, originalmente, o diretor Makoto Shinkai teria idealizado um final para o filme em que Mitsuha Miyamizu e Taki Tachibana não conseguiriam se encontrar ou entender um ao outro, e que assim os dois terminariam separados, cada um em seu caminho, quando o anime acabasse.

O boato sugere que esse final teria sido descartado por decisão da própria distribuidora do filme, a Toho, que não aprovou a ideia de Makoto Shinkai, e acabou obrigando o diretor a descartá-lo e a mudar para um final feliz, como nos foi apresentado em Kimi no Na Wa.

Curiosamente, muitos fãs que acreditaram no boato ficaram felizes com a “decisão” da Toho, e mesmo após o filme passar na TV Asahi, muitas mensagens de agradecimento pela mudança ainda foram enviadas para a distribuidora.

Acontece que, como dito acima, isso tratava-se apenas de um boato. O próprio Makoto Shinkai postou em seu Twitter uma mensagem, comemorando a estreia de Kimi no Na Wa na TV, e de quebra aproveitando para negar toda essa história de alteração de final.

Confira a mensagem do Twitter de Makoto Shinkai, traduzida:

“Kimi no Na Wa finalmente estreou na TV, e eu recebi muitos comentários e opiniões novamente. Muito obrigado à todos! Um comentário muito repetido inclusive, de que o filme originalmente era para ter se encerrado logo após Taki e Mitsuha terem se cruzado, e que a companhia teria me obrigado a mudar para um final feliz. Isso é tudo um mal-entendido (risos). O final foi decidido na ideia original do filme, antes mesmo do roteiro ser escrito.”

Com isso, Makoto Shinkai encerrou mais uma discussão pertinente sobre Kimi no Na Wa na internet.

Enquanto isso, o filme segue bem nas televisões japonesas, e recebeu uma audiência positiva de 17.4%, sendo esse número 2.2% superior à marca atingida pelo filme Shin Godzilla, que estreou no mesmo canal em novembro de 2017.

Durante o evento especial dedicado ao anime Kakegurui (Compulsive Gambler), “Hyakkaou Private Academy Cultural Festival”, foi anunciado que a segunda temporada da adaptação em anime do mangá de suspense psicológico está em produção.

O mangá do escritor Homura Kawamoto e do artista Tooru Naomura é publicado desde 2014 na revista Gangan Joker, e possui 7 volumes até o momento. A obra original conta com vários spin-offs e uma animação de 12 episódios pelo estúdio MAPPA (Inuyashiki, Shingeki no Bahamut), exibida entre julho a setembro de 2017.

A história se foca em uma escola especial de elite que permite aos estudantes fazer apostas entre si, com qualquer coisa em jogo. Para quem ganha a escola é o paraíso, mas para aqueles em debito pode se tornar um inferno de tortura psicológica e física. Um garoto acaba de perder uma grande aposta, quando uma misteriosa estudante se transfere para a escola, o ajuda, e começa a realizar feitos inesperados.